Skip to content

Educação como prática social

24/02/2013

Transcrevo um texto interessante de  FRANCISCO JOSÉ DA SILVEIRA LOBO NETO que aborda a educação como prática social.

Uma discussão da educação e da relação pedagógica só é possível na medida em que a situamos como prática social. A prática social não pode ser vista, simplesmente, como uma atividade que se manifesta como fenômeno ou fato, mas todo um conjunto de atividades humanas que se diferenciam de qualquer comportamento “natural”.

Nesse sentido, só há prática humana – mesmo quando “praticada” por uma só pessoa – quando nela se identifica uma dimensão social. Ela está inserida no processo cultural, produzido historicamente. Isto é, produzido na relação de interação intencional entre os seres humanos, e na relação de homens e mulheres com a natureza, com o mundo das coisas.

Assim, ainda que o ser humano tenha uma atividade de busca de alimento para saciar sua fome – o que é natural –, nele essa mesma atividade é prática, porque mobiliza, para além de sua capacidade de sentir a fome e de buscar saciá-la, sua consciência, sua intencionalidade. A caça ou a pesca, portanto, passam a ser um fazer consciente e intencionado, implicando necessariamente estabelecimento de raciocínios, relações, reflexão,abstração,significação.

É necessário ainda registrar que nenhuma prática, justamente por ser humana, pode prescindir de elementos teóricos. Ela é atividade que incorpora uma reflexão sobre o mundo, sobre a vida, sobre si mesma, enquanto parte constitutiva indispensável da humanidadedohomem.

É pela mediação realizada pela consciência que o homem percebe e entende a natureza, os outros homens e a sociedade. É pela incorporação de uma teoria das relações sociais que os homens se relacionam, se reproduzem e produzem e reproduzem o mundo em tornodesi.

Toda atividade educacional, que se concretiza em relações pedagógicas é, portanto, uma prática social que apresenta características históricas, implicações teóricas e compromissospolíticos.

Como afirma Pellegrino (1986), “Acontece que nós, humanos, somos fratura, ruptura, salto qualitativo da natureza para o processo cultural. Somos exilados de nossa condição biológica e da Lei Cósmica que a preside. Perdemos os instintos, no bom e honrado sentido animal da palavra. Somos, sim, animais, mas animais políticos – zoon politikon –, tendo que criar as leis da polis por termos rompido – este é o pecado original – com a Lei que rege o sol, as estrelas, as plantas e os bichos.”

Justamente por ser a educação uma prática social que se concretiza através da relação pedagógica entre os sujeitos que a realizam, o comprometimento político lhe é inerente.

Uma das lições mais preciosas de Karl Marx (1818-1883) foi a de nos chamar a atenção para a “omnilateralidade”, ou seja, para a categoria de totalidade na análise de qualquer fenômeno.

Neste sentido, nosso grande desafio está em não nos deixar levar por reducionismos na análise da prática educativa, limitando-nos a apenas um aspecto (ou, mesmo considerando vários aspectos, deles tratar isoladamente), o que caracterizaria uma unilateralidade.

Por exemplo, considerar como única função educativa, em um curso de formação de técnicos, a socialização apenas dos saberes relacionados com a prática profissional admitida para os profissionais da saúde deste nível é, provavelmente, correr o risco de sonegar elementos fundamentais de compreensão profunda daquelas práticas. Além disso, é um desprezar da totalidade e da complexidade da educação e do próprio exercício profissional, que têm como critério, menos a hierarquização dentro de um campo profissional e mais o entendimento da realidade (princípios, processos e procedimentos) para o desenvolvimento de competências humanas. Tal maneira de proceder estaria, possivelmente, ignorando outras formas de saber, contribuições de diferentes culturas e de diversas experiências que têm importante contribuição a dar na constituição do profissional como sujeito, pessoa humana e cidadão. Seria, em última análise, não considerar que a prática pedagógica é uma prática social.

Dentro desta visão omnilateral da ação pedagógica, certamente mais do que o objeto, o conteúdo ou a forma, é importante o sujeito visto em sua totalidade e em sua relação com o outro, formando coletivos, grupos sociais, que – por sua vez – se relacionam na formaçãodeumasociedade.

Esse sujeito – em suas dimensões individual e coletiva – ocupa o lugar de protagonista no cenário pedagógico, pois é nele, por ele e para ele que a ação educativa acontece. A partir desse pressuposto, é primordial conhecer muito bem esse sujeito. Teremos oportunidade de fazê-lo mais profundamente no Módulo 2 (onde trataremos privilegiadamente dos aspectos relacionados com seu exercício de cidadania) e no Módulo 3 (quando daremos ênfase aos aspectos relacionados ao processo educativo e, mais particularmente, da aprendizagem). Em ambos os casos, na totalidade do ser humano como pessoa que se constitui socialmente.

O que pretendemos agora, na afirmação desta totalidade, é ver, na prática social educativa, esse processo de relação específica entre sujeitos humanos que se apresentam e recebem denominações também específicas de educador-educando e professor-aluno.

Mas, certamente, isso que dissemos nada tem de surpreendente para você. Na sua experiência de todos os dias, sua prática de enfermagem é uma prática social que envolve uma relação entre sujeitos, seres humanos que se constituem socialmente como pessoas. Nem se nega que um seja o profissional da enfermagem numa relação com um outro que se está valendo de seus serviços como atendido ou cuidado no campo da saúde. Entretanto, esta relação concreta, que faz com que se denomine a um como enfermeiro e ao outro como paciente, continua a ser e em nada pode obscurecer a relação interpessoal de sujeitos sociais.

Da mesma forma, para além da condição daquele que ensina e daquele que aprende, é preciso compreender o professor e o aluno como sujeitos que se constroem na história. A relação educativa, em que se envolvem como educador – educando, só pode ter significado concreto quando é entendida como prática social, sempre implicando uma visãodemundo.

A prática pedagógica precisa ser vista a partir de uma perspectiva que dê conta de pensar o homem na sua totalidade e na sua singularidade. Isto significa conceber o homem e suas práticas – dentre elas a educativa – sem dicotomizá-lo. Implica, portanto, em entender que a subjetividade, para existir, supõe a coletividade e o social; em buscar subsídios para ter uma visão histórica que, sem excluir o particular e específico, seja entendida como a totalidade do momento; em construir uma abordagem interdisciplinar que não seja apenas a justaposição de perspectivas teóricas diversas, mas um compromisso com a já mencionada omnilateralidade humana.

Os fatos concretos da educação de cada um e o conjunto do “fazer pedagógico” é, portanto, prática coletiva. Nela, necessariamente, os aspectos cognitivos, afetivos, sócio-econômicos, políticos e culturais interagem em função de resultados também concretos. Assim, a prática social pedagógica, tal como acontece em cada “aqui e agora”, se faz pela linguagem, fazendo (produzindo) linguagem. Por isso mesmo a didática, que, sem dúvida alguma, é uma questão de meios, só pode dar conta deles quando se assume, primordialmente, como uma questão epistemológica e, mais ainda, uma questão cultural.
* Cfr. PROFAE/FIOCRUZ/ENSP-EAD, Curso de Formação Pedagógica para Docentes do Ensino Médio na Área de Enfermagem: Módulo 1, Rio de Janeiro, 2002.

About these ads

From → Educação

Deixe um comentário

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s

Seguir

Obtenha todo post novo entregue na sua caixa de entrada.

Junte-se a 27 outros seguidores

%d blogueiros gostam disto: